Miizzie já é streamer desta casa há bastante tempo e, embora tenha estado inactiva durante algum tempo devido à universidade, voltou a fazer parte dos nossos ecrãs. Fica aqui a entrevista feita a Mizzie, de maneira a que todos nós possamos ficar a conhecer mais sobre ela.

 

P: Fala-nos um pouco sobre ti.
R: Ora boa tarde, o meu nome é Maria Neves, também conhecida por Mizzie. Tenho 22 anos e estou no último ano de Análises Clínicas e Saúde Pública na escola superior de Saúde. Desde pequena que tenho uma paixão por jogos de computador por influências do irmão mais velho e jogo desde que me conheço. No início era apenas uns joguinhos de Nintendo 64 e alguns jogos para computador (como Worms Armageddon, GTA2…) depois apareceu o Counter Strike 1.6 nos meus 13 anos e o vício lá aumentou. Cheguei a entrar em equipas semi-profissionais mas nunca fui muito longe porque, em primeiro, estavam sempre os estudos. Até que comecei a streamar.

 

P: Há quanto tempo fazes streams? O que te levou a começar?
R: Comecei a streamar há, talvez, 3 anos um mmorpg chamado TERA. Comecei muito casualmente porque na altura não tinha ninguém com quem jogar e achei que, ao streamar o jogo, teria companhia para falar. As streams começaram a ficar sérias e decidi transmitir o jogo em que passava mais tempo, CSGO. E assim tornei-me na melhor streamer de CS da minha rua.

 

P: Qual foi o motivo que te levou a mudar a língua da tua stream?
R: Alargar horizontes, maioritariamente. Posso enumerar várias razões: melhorar o meu inglês, conhecer pessoas de todos os lados do mundo, alargar a stream para lá do público nacional, chegar um dia a ser entrevistada pelo Jimmy Fallon para ele se rir das minhas piadas (posso sonhar). A decisão não foi fácil visto que a minha comunidade era Portuguesa, mas tomei uma decisão que, se não a tomasse, não tinha vivido umas boas experiências com viewers estrangeiros.

 

P: Achas que essa mudança de língua te ajudou na stream?
R: Sim e não. Perdi muitos viewers regulares portugueses, perdi reconhecimento nacional e o meu número de visualizadores por stream desceu drasticamente. No entanto, sem dúvida que o meu objetivo de conhecer pessoas de todo o lado do mundo está a realizar-se aos poucos. Já tenho viewers e amigos da Holanda, Lituânia, Índia, América (e por aí fora…) e adoro! Se não fosse a mudança de língua, não teria ajudado um viewer da Lituânia a organizar um pedido de casamento aqui no Porto para a sua namorada (correu bem, ela disse que sim!).
Embora o número de viewers seja desmotivante, comparando com o que tinha anteriormente, tenho que admitir que, como pessoa e como streamer, evoluí bastante. Para além de que, e peço desculpa se ofender alguém, a comunidade portuguesa de CS não é das melhores.

 

P: Que tipo de jogos te podemos encontrar a jogar?
R: Maioritariamente Counter Strike, embora ande a jogar muito PUBG e sempre que sai um jogo de plataformas novo, lá vou eu experimentar. Houve um tempo no ano passado em que me fartei um bocadinho do CS e foquei-me em ser variety streamer e streamar jogos Indie, platformers e outros jogos single-player. Mas tenho que admitir que o bichinho do CS volta sempre e lá volto eu para o jogo que me faz feliz e enervada ao mesmo tempo.

 

P: Qual a característica que dirias gostar mais na tua stream?
R: Ora bem, vejo-me como uma pessoa muito tonta nas minhas streams. Adoro entreter e o facto de ser desajeitada a jogar, torna a stream mais divertida de se ver. No CS, por exemplo, atirar granadas a mim própria é o prato do dia e, claro, os viewers adoram gozar comigo.
Embora eu azie BASTANTE a jogar, tento sempre manter um ambiente descontraído e tento ensinar o que sei.
As streams nem sempre correm bem e quando estou assim mais em baixo, a stream fica mais calma que o normal tornando-se muitas vezes apenas um broadcast de uma rapariga a jogar no seu pijama (sim, streamo muitas vezes de pijama!).

 

P: Algum conselho que gostarias de deixar a quem está a começar a stream, ou mesmo a quem já começou?
R: Tenho um conselho muito importante que muitos não têm a noção quando começam a streamar. O número de visualizadores não será logo 10 ou 20 de cada vez. As pessoas para saberem da existência da tua stream ou chegam lá por link ou tiveste uma sorte desgraçada por te encontrarem no meio de tantos canais. Por isso, a publicidade é muito importante e a conexão com outros streamers também. Ao ajudar também és ajudado, não te foques só em ti.
Também não esperes que seja tudo um mar de rosas, vai haver muitos momentos em que vais estar farto e só te vai apetecer desistir mas se gostas do que fazes, continua que as coisas mudam mais tarde ou mais cedo!

 

P: Além da Twitch, onde mais te podemos encontrar?
R: Podem encontrar-me em qualquer plataforma social existente. No Facebook pelo nome de Maria “Mizzie” Neves, no instagram por mizzieneves e no Twitter por Mizzieni. Embora eu não as use tanto como devia, publico sempre os giveaways e quando vou estar On. O instagram é que uso como página pessoal também por isso vão ver muitas fotos minhas e das minhas gatas eheh.
Antes de mais, a equipa Staff Stream quer agradecer à Mizzie por ter disponibilizado tempo para responder às perguntas. Muito obrigado!
Esperamos que tenham gostado, tanto como nós, de ter ficado a conhecer melhor a Mizzie.